Boca Aberta divulga vídeos de conversa com procurador da Câmara

O vereador Émerson Petriv (PR), o Boca Aberta, divulgou agora pela manhã as gravações de uma conversa com o procurador da Câmara, Miguel Aranega Garcia, sobre o processo de cassação que deve ser aberto contra ele. O procurador não sabia que estava sendo gravado. A gravação foi dividida em seis vídeos, veiculados no youtube. Pelas falas de Petriv e Aranega Garcia, a conversa aconteceu depois de o procurador se manifestar pelo envio de uma das representações contra o vereador ao plenário, o que significa, na prática, a possibilidade de abertura de um processo de cassação contra ele. Nesse caso, Petriv é acusado de estelionato por ter feito uma “vaquinha” na internet para pagar uma multa imposta a ele pela Justiça Eleitoral.

A conversa gira em torno de bastidores do Legislativo. Em um trecho da conversa Aranega Garcia faz uma comparação dos casos de Boca Aberta e de Filipe Barros (PRB), que foi alvo de outra representação. No caso de Barros, o Coletivo de Sindicatos que organizou a Greve Geral de 28 de abril pediu a cassação do mandato. Isso porque o vereador gravou um vídeo chamando os trabalhadores que aderiram ao movimento de “vabagundos” e disse que se fosse na frente da loja dele agrediria os manifestantes – o que é entendido pelo Coletivo de Sindicatos como apologia à violência. A Mesa da Câmara decidiu encaminhar o caso para a Comissão de Ética – o que indica uma punição mais branda –, mas os sindicatos pediram reconsideração por entender que o caso é de conduta incompatível com o decoro parlamentar, que levaria à cassação.

Boca Aberta tem reclamado que há dois pesos e duas medidas diferentes para tratar do seu caso e do caso de Barros. A certa altura da conversa, o procurador da Câmara diz que Barros não teria interesse em um processo (contra Boca Aberta) que fosse “até o final”. “A imprensa não vai fazer um comparativo desses?”, questiona Aranega Garcia. Antes de perguntar o procurador diz não saber se o processo contra Boca Aberta “vai até o final”, embora o clima hoje na Câmara seja pela cassação do vereador – ainda mais depois da divulgação dos vídeos.

O procurador não cometeu nenhum erro e nem infringiu leis durante a conversa, que gira em torno dos bastidores da disputa política. Mas a exposição dos bastidores do jogo político à sociedade sempre traz mais dúvidas e mais desgaste.

Boca Aberta vai se manifestar sobre o caso às 10h30 de hoje. O presidente da Câmara, Mário Takahashi (PV) e o procurador ainda não se manifestaram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *