Licença de Boca Aberta precisa ser aprovada pelo plenário; vereador diz que foi ameaçado

O vereador Émerson Petriv (PRB), o Boca Aberta, conversou ontem à noite, por telefone com o Baixo Clero. Ele disse que ainda pensava sobre pedir ou não licença do mandato. No momento em que Boca Aberta deu entrevista (às 19h, logo depois de o Paraná TV Segunda Edição tinha ido ao ar), provavelmente ele já tinha protocolado o pedido de afastamento. Segundo a Câmara, o pedido foi protocolado na noite de quinta-feira. Ele argumentou “motivos pessoais” para pedir licença do mandato. Agora há pouco, também por telefone, ele justificou que precisava preservar a informação, por isso não admitiu ter protocolado o pedido de licença.

O pedido de licença ainda precisa ser votado em plenário. Nunca antes na história da Câmara o plenário negou um pedido de licença a um vereador. Mas em se tratando de Boca aberta, tudo pode acontecer.

Freio de arrumação

Se concedida, a licença funcionaria como um freio de arrumação: suspenderia prazos nos processos que tramitam contra o vereador e esfriaria o clima com relação a ele. Mas nem esse, nem nenhum outro prazo seriam capazes de reconstruir as pontes que Petriv quebrou, na relação com os outros vereadores.

“Ameaças”

Boca Aberta disse na entrevista que estaria sofrendo ameaças e que procuraria a polícia hoje pela manhã para tratar dessas ameaças. Segundo ele, as ameaças ocorreram em duas oportunidades, quando ele fazia o seu “gabinete itinerante” na Zona Norte de Londrina. Uma vez foi um homem de moto, em outra, um nome de carro. O vereador disse ter registrado um boletim de ocorrência hoje pela manhã, no 4º Distrito Policial e que na segunda-feira passará para a polícia as placas da e do carro que foram usados pelas pessoas que o ameaçaram.

Quanto aos motivos do afastamento temporário, Petriv afirmou que precisa “dar uma avaliada em tudo o que está acontecendo”. “Eu estou sendo ameaçado de morte, tem uma série de coisas acontecendo”, justificou. O vereador disse que vai “refletir, pontuar algumas coisas” durante o período de licença.

Suplente

O suplente de Boca Aberta  é José Roque Neto (PR), mas ele não será convocado, porque a licença é inferior a 120 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *