Prefeito precisa completar anúncio de corte com algumas ações concretas

O prefeito Marcelo Belinati (PP) e o secretário da Fazenda, Edson de Souza, divulgaram hoje um balanço que aponta uma projeção de déficit de R$ 120 milhões para 2017, junto com um pacote de corte de gastos, para evitar uma situação caótica nas finanças municipais. O pacote de corte de gastos prevê corte de 100% dos investimentos, 40% do custeio e a não nomeação de 55 ocupantes de cargos comissionados, entre outras medidas. Além disso, em reunião realizada na semana passada com servidores, o prefeito afirmou que o município não tem condições de repor perdas inflacionárias e promoções e que se isso for feito haverá risco de a prefeitura não fazer frente à folha de pagamento a partir de julho, quando as receitas começam a declinar.

Em que pesem as boas intenções apresentadas pelo prefeito e sua equipe, falta algo mais para que o anúncio ganhe um pouco mais de credibilidade.

Primeiro é o correspondente político à intenção da nova administração de cortar na carne para salvar as finanças municipais do caos. E o correspondente político ainda não foi demonstrado. Tanto que no primeiro mês a atual administração empregou quatro ex-vereadores, que não tiveram seus mandatos renovados pelo eleitorado. Por um lado, a administração pede sacrifícios à sociedade (cortar investimentos). Por outro, “ressuscitou” políticos escanteados pelo eleitor. Desempregar esses ex-vereadores não resolveria em nada o problema financeiro da prefeitura, mas teria um forte peso simbólico, um lastro de credibilidade para as medidas – embora, em começo de mandato, não se pode dizer que o novo prefeito não tenha credibilidade. Mas que ajudaria, ajudaria.

O segundo correspondente é o problema da transparência, prometida por Marcelo Belinati antes da posse. Passados 30 dias da posse da nova gestão e ninguém ainda na prefeitura conseguiu atualizar a página da Transparência, principalmente no que diz respeito aos ocupantes de cargos comissionados. Segundo a página da Transparência, Alexandre Kireeff (PSD) continua prefeito de Londrina, 30 dias depois de deixar o cargo – se essas informações fossem levadas a sério, já daria abandono de emprego. Sem a atualização da lista de comissionados fica difícil até conferir a informação de que houve um corte de 55 cargos, que não serão nomeados.

Mais do que boas intenções é preciso que a nova administração apresente ações concretas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *